Hoje é dia de agradecer aos profissionais da engenharia, da agronomia e das geociências por trabalharem ativamente para construir um mundo melhor. Destacamos ainda a importância de seu trabalho no enfrentamento à pandemia, que tem sido brilhante. Parabéns a todos os trabalhadores que atuam pelo bem da população, do país e do mundo.

O 0800 031 2732 da Central de Atendimento é um dos principais canais de acesso aos serviços e informações do Crea-MG. Através dele, profissionais, empresas e sociedade podem resolver com mais agilidade suas demandas e esclarecer dúvidas. Com um sistema que oferece todos os serviços online, o Sitac-MG, o 0800 serve como apoio para usuários que tenham alguma dificuldade de acesso. O canal recebe ligações de telefone fixo de todo o país e de celulares de Minas Gerais.

De acordo com o gerente do Departamento de Atendimento, Registro e Acervo, engenheiro civil Luís Pimenta, o 0800 pode ser usado como porta de acesso a todas as informações do Crea-MG. “O 0800 é uma grande ferramenta de apoio ao profissional, às empresas e à sociedade. Este canal fornece instruções assertivas às questões apresentadas e informa sobre o andamento de solicitações, dentre outros serviços. Estamos trabalhando para aprimorá-lo”, afirmou.
Os resultados de melhoria no 0800 já podem ser percebidos. Enquanto o tempo médio de atendimento no primeiro trimestre de 2020 foi 2 minutos e 26 segundos, este ano caiu para 1 minuto e 58 segundos, considerando o mesmo período. Foram 88.242 chamadas recebidas nesse trimestre, das quais 59.275 foram atendidas com um tempo médio de espera de 24 segundos. "Parte dessa demanda, foi ocasionada pela implantação do Sitac-MG, que num primeiro momento gerou dúvidas aos usuários", finalizou Pimenta.

A Central de Informações do Crea-MG funciona de segunda a sexta-feira, das 7h às 19h e atende também pelo e-mail Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo..

 

Hellen Costa, estagiária sob supervisão da jornalista Adriana von Krüger
Divisão de Comunicação e Publicidade

Estudantes que gostam de matemática são potenciais candidatos à carreira de engenharia, agronomia e geociências. Por isso, a coordenadora Aline Oliveira acredita que o apoio do Crea-MG na divulgação do Campeonato Estadual de Matemática (CEM) pode valorizar o evento. Para alinhar essa estratégia, ela e os membros da Comissão Organizadora Lindon Júnior e João Victor Santos se reuniram com o presidente do Conselho, engenheiro civil Lucio Fernando Borges, no dia 26 de abril de 2021. "Com a ajuda do Crea, o Campeonato, que está em sua terceira edição, poderá chegar a mais alunos e professores da região metropolitana e também do interior de Minas. A gente busca um público que tem interesse na área de engenharia, de ciências exatas e que depois poderá aplicar o conhecimento de matemática na vida prática e profissional", destacou.

Mais de 2500 alunos de ensino médio de 300 escolas já participaram do Campeonato, que tem duração de três meses. Aproximadamente 500 professores treinaram os estudantes nas duas últimas edições. O evento é uma oportunidade para os alunos aprofundarem o conhecimento, resolverem problemas e mostrarem suas habilidades. E mais do que promover uma competição, o CEM pretende contribuir para a valorização dos professores e para a melhoria da qualidade da educação. Nesta edição virtual, as temáticas são a aplicação da matemática em acessibilidade, mobilidade, energia, tecnologia, meio ambiente.

Premiação - O prêmio para dupla de estudantes que conquistar o primeiro lugar é uma viagem para conhecer a Nasa, no Kennedy Space Center na Flórida, Estados Unidos. Além da viagem, para os participantes que obtiverem as melhores notas no campeonato, serão distribuídas 30 bolsas de estudo os cursos de Engenharia Civil e Ciência da Computação, da Escola de Engenharia de Minas Gerais (EMGE).

Os interessados podem se inscrever de 10 de junho a 22 de julho. Para mais informações, acesse emge.edu.br 

 

Almir Moura
Divisão de Comunicação e Publicidade
Foto: Mariana Rodrigues

A 5ª Reunião Ordinária do GT Saneamento, realizada no dia 07 de abril de 2021, teve como pauta a discussão e a produção de material informativo sobre Marco Legal de Saneamento Básico. O objetivo do Marco Legal de Saneamento Básico, sancionado pelo governo federal na Lei 14.026 de 15 de julho de 2020, é universalizar e qualificar os serviços de saneamento.

A ideia é que em agosto deste ano, o GT finalize o material que será destinado ao poder público, sobretudo às prefeituras. Para o coordenador do GT de Saneamento, engenheiro civil Vitor Queiroz, "os materiais vão ajudar a capacitar o corpo técnico e o corpo gestor, principalmente dos municípios”. Já no próximo semestre, o GT pretende produzir o material direcionado para profissionais e empresas de engenharia, agronomia e geociências.

Com o material produzido, o GT quer esclarecer e promover o envolvimento dos órgãos públicos, dos profissionais e das empresas na universalização do saneamento, como determina a lei. "A mudança na Lei de Saneamento traz muitas novidades e muitas dúvidas. É fundamental que sejam elaborados materiais de consulta e subsídios técnicos para auxiliar a todos os atores envolvidos”, reforçou Vitor.

 

Hellen Costa, estagiária sob supervisão da jornalista Adriana von Krüger
Divisão de Comunicação e Publicidade

 

No dia em que é comemorado o Dia Nacional da Mulher, 30 de abril, o jornal Hoje em Dia publicou o artigo Presença feminina nos espaços decisórios, que destaca a importância do protagonismo das mulheres nas áreas da engenharia, agronomia e geociências. A conselheira do Crea-MG, engenheira Civil Maria Angélica Arantes de Aguiar Abreu, e o diretor do Crea-MG, engenheiro Civil Álvaro Goulart – ambos membros do Comitê Gestor do Programa Mulher – assinam o texto.

Confira abaixo a íntegra do artigo.

 

Presença feminina nos espaços decisórios

 

Maria Angélica Arantes de Aguiar Abreu 

Engenheira Civil, conselheira do Crea-MG e membro do Comitê Gestor do Programa Mulher

Álvaro Goulart

Engenheiro Civil, diretor do Crea-MG e membro do Comitê Gestor do Programa Mulher

 

A base necessária para a construção de um mundo pacífico, próspero e sustentável passa pela igualdade de gênero. Essa é afirmação do Objetivo de Desenvolvimento Sustentável (ODS) número 5 da Agenda 2030, adotada em 2015, pela Organização das Nações Unidas (ONU). A promoção dessa igualdade é primordial para assegurar melhores condições de vida a mulheres e meninas.

Em convergência com uma das nove metas que compõem o ODS 5, que é a de garantir a participação plena e efetiva das mulheres e a igualdade de oportunidades para a liderança em todos os níveis de tomada de decisão na vida política, econômica e pública, o Sistema Confea/Crea e Mútua lançou, em 2019, o Programa Mulher. A inciativa tem como finalidade elaborar políticas de incentivo para a atuação e protagonismo de mulheres dentro das áreas da engenharia, da agronomia e das geociências nas diversas entidades de classe e Conselhos Regionais.

A versão mineira do programa, lançada em março deste ano, tem 21 representantes de instituições de ensino, sindicatos, entidades de classe, poder público, profissionais do Sistema e Crea Jr. O programa reconhece a importância da presença feminina nos espaços decisórios e quer potencializar as vozes das profissionais para que elas tenham o devido reconhecimento de seu trabalho e contribuição para o desenvolvimento da sociedade. Nesse sentido, a nossa atuação no comitê gestor é de pautar a ampliação da representatividade feminina em cargos de liderança e alta gestão, uma vez que os números apontam que esse é um caminho em que precisamos avançar como nação.

O estudo “Mulheres na Política 2020”, publicado pela ONU Mulheres no ano passado, revelou que o Brasil ocupa o penúltimo lugar entre países da América Latina e do Caribe no ranking de representatividade feminina nos cargos executivos, legislativos e em ministérios. Esse número chama ainda mais atenção quando levamos em conta o percentual de mulheres da população brasileira, que é de 52%. A taxa de representação feminina no Congresso brasileiro, por exemplo, é de apenas 15%. No restante do continente, essa taxa é de 31%.

No próprio Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG), o percentual feminino registrado e ativo ainda é pequeno em relação ao masculino, mas apresenta uma representatividade maior se comparada aos números externos. Dos mais de 132 mil profissionais ativos registrados no Crea-MG, quase 20% são do sexo feminino, contabilizando pouco mais de 26 mil registros.  Ao passo que no plenário da autarquia, as mulheres correspondem a 11,7% do número total de 188 conselheiros, entre titulares e suplentes. Enquanto que em número gerais a representatividade feminina não chega a um terço do percentual da população de mulheres, no Crea-MG, essa representatividade é mais da metade. Esse número é ainda melhor quando analisamos os comandos das Inspetorias e dos Escritórios de Representação do Crea, espalhados por todo o estado. Dos 222 inspetores, 15,3% são mulheres.

No entanto, ainda temos muito a avançar, por exemplo, das seis comissões, dos sete grupos de trabalho e das oitos câmaras especializadas que compõem o Conselho, atualmente, não há em nenhum deles uma coordenadora, embora em anos anteriores esse cenário tenha sido diferente. Na diretoria do Crea-MG, desde 2018, há representação feminina, a última tinha sido em 2010. Nos últimos quatro anos, tivemos mulheres à frente das diretorias de Fiscalização, e, atualmente, na de Atendimento e Acervo. E uma das frentes de atuação do Programa é justamente manter a frequência dessa presença. Ampliar a participação das mulheres e criar condições para que isso ocorra é uma luta que deve ser encampada por todos, tanto mulheres quanto homens, unidos na promoção dessa igualdade.

Para marcar o Dia Nacional da Mulher, em 30 de abril, o comitê gestor vai promover um painel online que reunirá três profissionais, de diferentes modalidades, para partilhar as suas trajetórias e experiências de vida. O objetivo do evento é contribuir com o tão necessário empoderamento feminino.

O descarte irregular dos resíduos da construção e demolição foi o assunto da reunião realizada entre o coordenador da Associação Brasileira para Reciclagem de Resíduos da Construção Civil e Demolição (Abrecon) Levi Torres e o presidente do Crea-MG, engenheiro civil Lucio Fernando Borges. O encontro ocorreu, de forma virtual, no dia 27 de abril de 2021.

Segundo Levi Torres, a Abrecon estima que mais de 80% dos municípios mineiros possuem aterros clandestinos de entulho. “O descarte clandestino está presente em todas as regiões de Minas Gerais, especialmente nas mais adensadas, como, por exemplo, na metropolitana de Belo Horizonte. O culpado por esse descarte é o gerador do resíduo, que muitas vezes são construtoras que contratam caçambeiros que não dispõem de compromisso com o meio ambiente e não têm local adequado para descartar” destacou.

Na ocasião, o coordenador da Abrecon propôs ao Crea-MG a realização de um evento virtual para discutir mais sobre resíduos da construção com a participação de profissionais, do Sindicato da Indústria da Construção Civil no Estado de Minas Gerais (Sinduscon), da Fundação Estadual do Meio Ambiente (Feam), da Superintendência de Limpeza Urbana (SLU), da Associação Brasileira de Engenharia Sanitária e Ambiental (Abes). Sobre o evento, o presidente Lucio afirmou que é preciso “planejar, organizar e envolver todos os setores dessa cadeia produtiva. É um assunto relevante para nós”.

Também participaram da reunião, os gerentes do Departamento de Comunicação e Relação com Colégios, engenheiro civil Jean Marcus Ribeiro; da Divisão Técnica, engenheiro agrônomo Gustavo Freitas; e da Divisão de Comunicação e Publicidade, Debi Sarmento.

 

Almir Moura
Divisão de Comunicação e Publicidade